Maio de 2019 | João Lóio

”Cantar alentejano”, disco Cantigas do Maio, José Afonso, 1971.

“Cantar Alentejano”, canção de protesto, interpretada por José Afonso pela primeira vez em 1964, em Grândola, na Sociedade Musical Fraternidade Operária Grandolense, foi, talvez, um dos cantos revolucionários que mais me perturbou, quando o ouvi a primeira vez, e que me continua a agitar e a fazer-me sentir revolta, sempre que o ouço.

Homenagem a Catarina Eufémia, uma ceifeira de Baleizão, morta a tiro pela Guarda Nacional Republicana, durante uma greve de mulheres assalariadas rurais, em 19 de Maio de 1954, integra o álbum “Cantigas do Maio”, editado em 1971.

O poema tão simples e comovente, a música tão enleada ao poema e aumentando toda a sua carga de rebelião, e a VOZ que nos leva a ouvir ainda mais longe do que a canção, fazem dela uma das mais belas canções de sempre.

Depois da primeira quadra, quando se espera ou um refrão, ou a repetição da mesma música com uma nova quadra, surge um lamento/grito lancinante que ainda hoje ecoa na campina alentejana.

Jose AbreuMaio de 2019 | João Lóio