Agosto de 2019 | Judith Cohen

 

”Where have all the flowers gone”, disco The rainbow quest, Pete Seeger, 1960.

Cresci no Canadá, em Montreal, durante os áureos anos das canções de protesto e do revivalismo da música folk. Em 1971, quando estive em Espanha pela primeira vez, aprendi canções sobre a Guerra Civil através de amigos que lá fiz, canções que me eram segredadas face ao perigo que significava cantá-las. Devo admitir, foi-me muito difícil decidir que canção atribuir à «canção do mês»: tantas maravilhosas canções se cruzaram com o meu pensamento. Contudo, a minha primeira escolha irá para Pete Seeger (1919-2014), um dos meus maiores ídolos tanto enquanto activista social como compositor e músico folk. Tive o privilégio de o conhecer, de com ele por inúmeras vezes privar e de até mesmo com ele compartilhar o palco, num espectáculo de homenagem a Alan Lomax (1915-2002). «Where have all the flowers gone ?», escrita por Pete em 1955 e cuja melodia ele dizia ter trazido emprestada de uma canção de lenhadores irlandeses, é baseada numa antiga canção ucraniana, «Koloda Duda», e no famoso romance de Mikhail Sholokov intitulado «And quiet flows the Don», onde Pete encontrou as palavras de que se serviria para a sua composição. Esta tornou-se uma das canções mais acarinhadas de Pete, especialmente depois de 1960, quando o folclorista Joe Hickerson (1935-) – então um jovem conselheiro para acampamentos de verão – lhe acrescentou as últimas duas estâncias, tornando o texto cíclico. (Pete certificou-se de que Joe receberia sempre parte dos royalties). «Where have all the flowers gone?» é uma canção de protesto por inferência: não é uma canção sindical nem se opõe a nenhum acto em particular, tampouco se assume como um apelo às armas ou à acção imediata. Contudo, a sua silenciosa e inevitável progressão causou e continuará a causar impacto. Existem várias gravações em rede. Nesta ouve-se o elemento chave, a imagem de marca de Pete: A sua plateia a cantar.
[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Where have all the flowers gone, long time passing?
Where have all the flowers gone, long time ago?
Where have all the flowers gone?
Gone to young girls, every one!
When will they ever learn, when will they ever learn?

Where have all the young girls gone, long time passing?
Where have all the young girls gone, long time ago?
Where have all the young girls gone?
Gone to young men, every one!
When will they ever learn, when will they ever learn?

Where have all the young men gone, long time passing?
Where have all the young men gone, long time ago?

Where have all the young men gone?
Gone to soldiers, every one!
When will they ever learn, when will they ever learn?

And where have all the soldiers gone, long time passing?
Where have all the soldiers gone, a long time ago?
Where have all the soldiers gone?
Gone to graveyards, every one!
When will they ever learn, when will they ever learn?

And where have all the graveyards gone, long time passing?
Where have all the graveyards gone, long time ago?
Where have all the graveyards gone?
Gone to flowers, every one!
When will they ever learn, oh when will they ever learn?

Jose AbreuAgosto de 2019 | Judith Cohen